EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E RAP: VOZES PERIFÉRICAS NO ESPAÇO ESCOLAR

Jonas de Souza Gonsalgo, Cilene Margarete Pereira

Resumo


Na educação básica, a abordagem dos direitos humanos passa efetivamente pela exploração de temas relativos à exclusão/inclusão social de grupos sociais minoritários. Além de promover o acesso a conhecimentos oficiais e tradicionais, a escola é o espaço também de saberes e de grupos outros, distanciados de instâncias decisórias, fazendo-se necessário, para a real educação em direitos humanos, reverberar suas existências na cultura escolar. Para tanto, propomos que o rap seja levado para a sala de aula como um gênero poético-musical originário de territórios periféricos e constituído por estes sujeitos, visto que aponta para um lugar de falar envolto em saberes de pessoas marginalizadas, conferindo voz/poder a grupos historicamente silenciados. Tal perspectiva se alinha à Base Nacional Comum Curricular (BRASIL, 2018), no que diz respeito à diversidade social e de saberes, ao exercício da empatia e da solidariedade e à responsabilidade e cidadania, conforme disposto nas competências gerais 6, 9 e 10. Para tanto, este artigo apresenta alguns pontos fundamentais do gênero poético-musical rap, com o fim de instrumentalizar professores e alunos para sua discussão em sala de aula, evidenciando sua estrutura composicional (forma e temas) e sua relação com saberes periféricos e grupos sociais marginalizados, por meio de algumas das letras de suas canções.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Ciências Humanas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


(c) Rev. Ciênc. Hum. Educ., Frederico Westphalen - ISSN 1981-9250.

Qualis/CAPES: B4 - Educação e B3 - Ensino

Prefixo DOI: 10.31512

E-mail: rhumanas@uri.edu.br

 

 * Contagem iniciou em 28/04/2019.

Flag Counter