MEU CORPO, MINHA VIDA: CIDADANIA, DIREITOS HUMANOS E MULHERES

Ana Maria Colling, Paula Tatiane de Azevedo

Resumo


Historicamente as mulheres avançaram em todas as áreas pelas quais lutaram – trabalho, educação, voto, métodos contraceptivos, etc., mas nesta espiral ascendente de conquistas, duas questões teimam em permanecer – o patriarcado (poder de uns sobre outras) e a violência contra as mulheres. O Brasil não carece de leis igualitárias; figuramos entre os países que mais protegem legalmente as mulheres. Mas entre a pena da lei e a cultura que sempre encarou com naturalidade o assédio, o estupro, a violência e a morte, há um longo caminho a percorrer. Neste texto onde historiamos os Direitos Humanos e a Cidadania e sua  relação com as mulheres nos deparamos com um foco de poder – o corpo feminino. Historicamente desqualificado, um corpo a ser utilizado, agredido, violado. Como falar em Direitos Humanos como direitos universais, em Cidadania para todos, se nos deparamos cotidianamente com a calamidade pública que é a violência contra a mulher? Paradoxalmente como falar em direitos humanos e ética, se este mesmo corpo agredido, assassinado é aquele  que produz seres humanos?


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Ciências Humanas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


(c) Rev. Ciênc. Hum. Educ., Frederico Westphalen - ISSN 1981-9250.

Qualis/CAPES: B4 - Educação e B3 - Ensino

Prefixo DOI: 10.31512

E-mail: rhumanas@uri.edu.br

 

 * Contagem iniciou em 28/04/2019.

Flag Counter