A NATUREZA SOCIAL E ECONÔMICA DA LEI DE TERRAS DE 1850

Dablio Batista Taglietti

Resumo


Este artigo trata de uma abordagem sobre a necessidade de uma legislação de terras para o Brasil no período do Segundo reinado, rente às mudanças que estavam se processando no sistema produtivo da época, ou seja, o caminho para o fim da escravidão, liberação dessa mão-de-obra e a necessidade de substituição da mesma. Objetiva, ainda, mostrar uma análise crítica sobre a legislação, e em especifico a Lei de Terras de 1850(nº601), que veio para delinear um contexto de exclusão, principalmente, daquele que até então usufruía apenas de seu trabalho manual, ou seja, o negro e o caboclo, é notório que a lei regulamentou a questão agrária, mas também, que iniciou um processo de expropriação ural, na medida que estabelecia que a aquisição de terras públicas omente seria através da compra, dinheiro.


Texto completo:

PDF PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais




(c) Rev. Ciênc. Hum. Educ., Frederico Westphalen - ISSN 1981-9250.

Qualis/CAPES: B4 - Educação e B3 - Ensino

Prefixo DOI: 10.31512

E-mail: rhumanas@uri.edu.br

 

 * Contagem iniciou em 28/04/2019.

Flag Counter